Loading...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Atividade variações linguísticas

ATIVIDADES – VARIANTES LINGUÍSTICAS

1. Assinale  a  alternativa  que  traz  exemplo  de  variedade  linguística  que exemplifique variação de estilo (ou seja, diafásica, ou de registro).
 A)  É  urgente  que  os  gringos  se  comprometam  a manter  o  aquecimento global abaixo de 2ºC em relação aos níveis de 1990.
B)  Estudos  revelam  que  Barack Obama  fez mais  pelo meio  ambiente  do que os governos americanos anteriores nos últimos 30 anos.
C)  Japão e  Itália  liberam pouca quantidade de gases do efeito estufa, mas  carecem de uma política climática para alcançar as metas  fixadas pela ONU.
D)  Os  Estados  Unidos  mantêm  o  maior  nível  de  emissão  per  capita  de poluentes no mundo todo.

2. Assinale a alternativa que  contém uma  informação FALSA em  relação ao fenômeno da variação linguística.
 A)  A variação  linguística consiste num uso diferente da  língua, num outro modo de expressão aceitável em determinados contextos.
B)  A variedade linguística usada num texto deve estar adequada à situação de comunicação vivenciada, ao assunto abordado, aos participantes da interação.
C)  As  variedades  que  se  diferenciam  da  variedade  considerada  padrão devem ser vistas como imperfeitas, incorretas e inadequadas.
D)  As  línguas  são  heterogêneas  e  variáveis  e,  por  isso,  os  falantes apresentam  variações  na  sua  forma  de  expressão,  provenientes  de diferentes fatores.

3. Leia o texto abaixo para responder as duas primeiras questões.
À pampa, truta?
A gíria é o elemento mais intercambiável entre as tribos. Ela se dissemina rapidamente e acaba se incorporando ao vocabulário de todas elas.
                                                                           (Revista Ana Maria, 22 de maio 2005, p. 36) A partir do texto apresentado, assinale o que for correto.
(    ) As gírias são expressões que marcam a língua coloquial, ou seja, é uma variante mais espontânea, utilizada nas relações informais entre os falantes.
(    ) O emprego intensivo de gírias entre os falantes faz com que essa variedade lingüística se propague rapidamente.
(    ) O autor do texto expõe sobre um processo lingüístico que sofre influência de inúmeros fatores entre eles: a relação entre falantes e ouvintes.
(    ) “À pampa, truta” são expressões resultantes de variação lingüística, empregadas entre falantes, marcadas por uma época e o grupo social de que fazem parte.
(   ) O vocábulo “tribos” está empregado em um sentido denotativo, isto é, real.

4. (…) Como não ter Deus?! Com Deus existindo, tudo dá esperança: sempre um milagre é possível, o mundo se resolve. Mas, se não tem Deus, há-de a gente perdidos no vaivem, e a vida é burra. É o aberto perigo das grandes e pequenas horas, não se podendo facilitar — é todos contra os acasos.
Tendo Deus, é menos grave se descuidar um pouquinho, pois, no fim dá certo. Mas, se não  tem Deus, então, a gente não tem licença de coisa nenhuma! Porque existe dor. E a vida do homem está presa, encantoada — erra rumo, dá em aleijões como esses, dos meninos sem pernas e braços. (…)
(Guimarães Rosa, Grande sertão: veredas.)
Uma das principais características da obra de Guimarães Rosa é sua linguagem artificiosamente inventada, barroca até certo ponto, mas instrumento  adequado para sua narração, na qual o sertão acaba universalizado.

 a) Transcreva um trecho do texto apresentado, onde esse tipo de “invenção” ocorre.


b)  Transcreva um trecho em que a sintaxe utilizada por Rosa configura uma variação lingüística que contraria o registro prescrito pela língua padrão.


5.  Assinale  a  opção  que  identifica  a  variação  lingüística presente nos textos abaixo.
Assaltante Nordestino
 –Ei, bichin…  Isso é um assalto… Arriba os braços e num  se bula nem faça muganga… Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim  se não  enfio  a  peixeira  no  teu  bucho  e  boto  teu  fato  pra fora! Perdão, meu Padim Ciço, mas é que eu to com uma fome da moléstia…

  Assaltante Baiano
 – Ô meu rei… (longa pausa) Isso é um assalto… (longa pausa). Levanta os braços, mas não se avexe não… (longa pausa). Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado… Vai
passando a grana, bem devagarinho… (longa pausa). Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado… Não esquenta, meu irmãozinho (longa pausa). Vou deixar teus
documentos na encruzilhada…

Assaltante Paulista
 –  Orra, meu…  Isso  é  um  assalto, meu…  Alevanta  os  braços, meu… Passa a grana logo, meu… Mais rápido, meu, que eu ainda  preciso  pegar  a  bilheteria  aberta  pra  comprar  o
ingresso  do  jogo  do  Corinthians,  meu…  Pó,  se  manda, meu…

(A)  variação social
(B)  variação regional
(C)  variação cultural
(D)  variação histórica
(E)  variação padrão

6.  O  uso  da  linguagem  nos  quadros abaixo  sofre  variação lingüística.
 blog




(A)  regional
(B)  literária
(C)  grupal técnica
(D)  padrão
(E)  social

Leia o texto para responder às questões 7, 8, 9 e 10.

Jogadores de  futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por  exemplo,  você  pode  imaginar  um  jogador  de  futebol dizendo “estereotipação”? E, no entanto, por que não? 
­ Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera. 
­ Minha  saudação aos  aficionados  do  clube e os demais esportistas, aqui presentes ou no recesso dos seus lares. 
­ Como é? 
­ Aí, galera. 
­ Quais são as instruções do técnico? 
­  Nosso  treinador  vaticinou  que,  com  um  trabalho  de 
contenção coordenada, com energia otimizada, na zona de 
preparação, aumentam as probabilidades de,  recuperado o 
esférico,  concatenarmos  um  contragolpe  agudo  com 
parcimônia de meios e extrema  objetividade,  valendo­nos 
da  desestruturação  momentânea  do  sistema  oposto, 
surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação. 
­ Ahn? 
­  É  pra  dividir  no meio  e  ir  pra  cima  pra  pegá  eles  sem calça. 
­ Certo. Você quer dizer mais alguma coisa? 
­ Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal,  talvez mesmo  previsível  e  piegas,  a  uma  pessoa  à 
qual sou ligado por razões, inclusive, genéticas? 
­ Pode. 
­ Uma saudação para a minha progenitora. 
­ Como é? 
­ Alô, mamãe! 
­ Estou vendo que você é um, um… 
­  Um  jogador  que  confunde  o  entrevistador,  pois  não 
corresponde à expectativa de que o atleta seja um ser algo 
primitivo  com  dificuldade  de  expressão  e  assim  sabota  a 
estereotipação. 
­ Estereoquê? 
­ Um chato? 
­ Isso. 
Luís Fernando Veríssimo (In: Cor reio Brasiliense, 13/05/1998) 

7. O  texto  retrata  duas  situações  relacionadas  que, fogem à expectativa do público: 
a.  A  saudação do  jogador  aos  fãs  do  clube,  no início  das  entrevistas  e  saudação  final 
dirigida à sua mãe. 
b.  A  linguagem  muito  formal  do  jogador, inadequada  à  situação  da  entrevista  e  um 
jogador que fala, com desenvoltura, de modo muito rebuscado. 
c.  O  uso  da  expressão  “galera”  por  parte  do entrevistador  e  da  expressão  “progenitora”, 
por parte do jogador. 
d.  O  desconhecimento,  por  parte  do entrevistador,  da  palavra  “estereotipação”,  e 
a fala do jogador em “é pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça”. 
e.  O  fato  de  os  jogadores  de  futebol  serem vítimas  de  estereotipação  e  o  jogador 
entrevistado não corresponder ao estereótipo. 

8. A  expressão  “pegá  eles  sem  calça”  pode  ser substituída  sem  comprometimento  de  sentido,  em língua culta, formal, por: 
a.  Pegá­los na mentira. 
b.  Pegá­los desprevenidos. 
c.  Pegá­los em flagrante. 
d.  Pegá­los rapidamente. 
e.  Pegá­los momentaneamente. 

9. O texto mostra uma situação em que a linguagem usada é inadequada ao contexto. Considerando as diferenças entre língua oral e língua escrita, assinale a opção que representa também uma inadequação da linguagem usada ao contexto:
a) “o carro bateu e capotô, mas num deu pra vê direito” - um pedestre que assistiu ao acidente comenta com o outro que vai passando  
b) “E aí, ô meu! Como vai essa força?” - um jovem que fala para um amigo.  
c) “Só um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma observação” - alguém comenta em uma reunião de trabalho.
d) “Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo de Secretária Executiva desta conceituada empresa” - alguém que escreve uma carta candidatando-se a um emprego.
e) “Porque se a gente não resolve as coisas como têm que ser, a gente corre o risco de termos, num futuro próximo, muito pouca comida nos lares brasileiros” - um professor universitário em um congresso internacional.

10. Analise as seguintes asserções a respeito do texto “Aí, galera”

I.                   O  efeito  cômico  do  texto  deriva  do  contraste entre  a  idéia  preconcebida  do  entrevistador sobre um jogador de futebol e as características do jogador entrevistado. 
II.                O  cronista  satiriza  a  classe de  jogadores, uma vez  que,  para  ele,  nenhum  jogador  apresenta domínio  da  variante  padrão  da  língua portuguesa em entrevistas.
III.             O  termo  “inclusive”, sublinhado no  texto,  indica que  as  ligações  entre  o  jogador  e  a mãe  dele não  são  apenas  sangüíneas. Sentido este que seria  perdido,  caso  o  termo  fosse  substituído por “preponderantemente”.     

Estão corretas apenas as afirmativas
(a)  II e III.
(b)  I e III.
(c)  I e II.
(d)  I, II e III.
(e)  I.R


0 comentários:

Postar um comentário